Paróquia de Amarante evoca dia de S. Gonçalo com visita guiada às obras na Igreja

Pormenor do interior da Igreja de S. Gonçalo (Foto CMA).

Quando forem dadas por concluídas as obras, a “nova” Igreja de S. Gonçalo terá restaurado todo o seu recheio artístico, as capelas laterais e de S. Gonçalo (a tumular e a do “S. Gonçalo da corda”) e apresentará, devidamente valorizado, o seu novo espaço litúrgico, que compreenderá a colocação de novos elementos: o altar, o ambão e a cadeira, concebidos e desenhados pelo escultor Paulo Neves.

A Paróquia de Amarante (S. Gonçalo) vai evocar o dia do padroeiro no próximo domingo, 10, com uma visita guiada pelo padre José Manuel Ferreira às obras de restauro em curso na Igreja, que decorrem desde setembro de 2020 e vão prolongar-se até aos primeiros meses de 2022.

A Igreja do Convento de S. Gonçalo tem cerca de 500 anos (é monumento Nacional desde 1910) e não se lhe conhecem significativas intervenções de manutenção. Nem mesmo depois de o Estado dela ter tomado posse, em 1919. 

Desde então, apenas e pontualmente, se registaram pequenas obras no telhado, com o propósito de impedir a infiltração de humidade, de resto a principal inimiga da conservação do templo e do seu valiosíssimo espólio. Daí a dimensão do restauro que está, agora, a ser feito no templo.

Quando forem dadas por concluídas as obras, a “nova” Igreja de S. Gonçalo terá restaurado todo o seu recheio artístico, as capelas laterais e de S. Gonçalo (a tumular e a do “S. Gonçalo da corda”) e apresentará, devidamente valorizado, o seu novo espaço litúrgico, que compreenderá a colocação de novos elementos: o altar, o ambão e a cadeira, concebidos e desenhados pelo escultor Paulo Neves.

O investimento no restauro da Igreja do Convento de S. Gonçalo ascende a 2 milhões e 200 mil euros, 1 milhão e 250 mil quais constituem co-financiamento do Programa Norte 2020. Entidades como o Município de Amarante (parceiro público da candidatura elaborada pela Paróquia), a Fundação Manuel António da Mota e a União das Freguesias de Amarante (S. Gonçalo), Madalena, Cepelos e Gatão, com valores diferentes, são também contribuintes para o projeto. 

Para cobrir a totalidade dos custos, a paróquia contraiu um empréstimo bancário e tem vindo a sensibilizar empresas e cidadãos para ajudarem nesta vultuosa empreitada.

Monumento central no turismo religioso do norte do país, estima-se que a Igreja do Convento de S. Gonçalo passe, depois de intervencionada, a receber 120 mil visitantes/turistas por ano.

CONTINUAR A LER

Deixe um Comentário

Pode Também Gostar