Tinoca: tradição e inovação

Manter-se fiel ao legado das freiras de Santa Clara e introduzir inovação no universo da doçaria de Amarante pode parecer, à primeira vista, uma missão impossível, mas na Confeitaria Tinoca, uma das mais conceituadas casas de chá da cidade, está em curso uma pequena (r)evolução precisamente nesse sentido.

Na Confeitaria Tinoca, a doçaria tradicional é o principal pilar de uma confeitaria que, nos últimos cinco anos, consolidou a sua posição como uma das mais conceituadas e inovadoras casas de chá de Amarante.  Fundada por Ilda Vaz em 1977, a Tinoca encontra-se na margem esquerda do Tâmega, em pleno centro histórico e, desde 2013, sob a gerência da arquiteta Ana Catarina Pinto.

“A nossa família já era cliente de muitos anos e um dia a minha mãe contou-me que a D. Ilda ponderava retirar-se”, começa por explicar.

Depois de um ano de negociações, a recém-formada arquiteta assumiu os destinos da casa de chá. “A D. Ilda tinha muito orgulho na sua confeitaria e nas nossas conversas notou-se que pretendia que esta casa perdurasse no tempo”, adianta.  Para dar continuidade ao que, no fundo, é a essência da Tinoca, a nova gerência assegurou a permanência de D. Emília e D. Fátima, as duas pasteleiras que estão na casa há cerca de 40 anos.

O espaço interior ganhou um visual vintage, mas moderno, adotando cores claras que aproveitam a luz do grande envidraçado virado ao Tâmega. À porta, uma bicicleta decorada é parte integral da decoração e imagem de marca da empresária.

A Tinoca é um recanto agradável e tranquilo onde se pode degustar os tradicionais doces conventuais de Amarante ou uma fatia de bolo e, ao mesmo tempo, desfrutar duma vista única do rio. Inovar é importante para diversificar a oferta, salienta a proprietária, mas sempre com o cuidado de se manter fiel à tradição.

“Seguimos à letra as receitas da doçaria conventual, mas apostamos na diferenciação, particularmente no que toca à qualidade, apresentação e seleção de ingredientes. Os nossos doces tradicionais primam pelo sabor e apelo estético que só se consegue com os melhores e mais frescos ingredientes”, afiança.

Bolo-Rei e Pão de Ló – as outras especialidades da casa

O terceiro lugar na prova nacional de melhor bolo-rei de Portugal – 2017 veio consolidar o prestígio e qualidade dos produtos confecionados na Confeitaria Tinoca e colocar o seu bolo-rei no mesmo patamar do melhor que se confeciona no país.

“O segredo continua a ser a aposta na qualidade e na escolha dos melhores ingredientes” assegura Ana Catarina Pinto, explicando que a sua receita resulta num bolo mais húmido e que se mantém fresco por mais tempo.

“A medalha de bronze é um motivo de orgulho para nós”, adianta, acrescentando que no Natal se faz fila para requisitar esta iguaria, assim como o bolo-rei escangalhado e pão de ló. O ex-libris pascal, fofo e húmido, é também uma das especialidades da casa e disponível todo o ano.

A arte em forma de bolo e os gelados artesanais – apostas na diferenciação

Em voga noutros países, a aplicação de conceitos de design na decoração de bolos para ocasiões especiais só agora dá os primeiros passos em Portugal. O cake design é, atualmente, uma área de negócio em “franca expansão”, afirma a empresária, salientando que, neste momento, a Tinoca é a única confeitaria em Amarante especializada e certificada.

“É um conceito que nos apelou imediatamente, pois cruza dois interesses em particular: as artes plásticas e a pastelaria”, conta. Salienta ainda que, como é uma área em crescimento, há a necessidade de investir na formação, mantendo-se a par das mais recentes novidades através da participação em cursos e workshops.

Sempre atenta a novas ideias, Ana Catarina Pinto inaugurou, em 2015, a única gelataria artesanal da cidade, a Maria Amarantina, na Rua 5 de Outubro. Uma bicicleta decorada, situada à entrada, dá continuidade à sua imagem de marca. O novo espaço é um “complemento à Confeitaria Tinoca e enriquecedor do comércio local”, explica. Tal como na confeitaria, o seu interior é dominado por um grande envidraçado virado ao Tâmega.

“Introduzir um produto de alta qualidade e diferenciado na área dos gelados foi difícil, inicialmente, porque é um conceito novo e diferente para uma cidade pequena como é Amarante”, acrescenta.

Oferecendo um cardápio de mais de 60 sabores que vão rodando ao longo da temporada, a gelataria aposta também na área dos crepes, waffles, chás gelados, granizados e chocolates quentes. “Encaramos a aparente sazonalidade de uma gelataria em Amarante como uma oportunidade e não um problema. Este ano introduzimos crepes salgados, panquecas, tostas e tapas, uma combinação que pode ser encarada como uma refeição”, conclui a empresária.

CONTINUAR A LER

Deixe um Comentário

Pode Também Gostar